Aquilo tudo era vida




No tempo que Papai Noel ainda existia,  deixava gnomos sentados em minhas janelas. E como neles eu acreditava, davam uma volta colorida No jardim de minha casa, onde tinha:  goiaba, graviola, abacate, passarinhos, um galo, Uma galinha, três cachorrinhos!   Sol que batia na calçada estreita feita de pequenos ladrilhos Vermelhos, intercalados de branco bem branquinho...   No tempo que Papai Noel ainda existia, meu coração explodia! Nos carrinhos de bebês sentadinhos, Ainda sinto o aroma e vejo os brinquedos De “todos” os filhos que pude ter nesta vida de encantos.   Quando a velhice me procurar, com cara de zangada, (e espero que não me encontre tão cedo) Ainda vou pescar sonhos e colher estrelas. Eu sei que quero ficar, apesar de saber Que não sei ainda, se um dia irei para outro lugar...