Tempos de Mudança

Imagem Google

Hoje, ao lavar a louça do almoço, fiquei pensando em desapego.  Sempre fui uma pessoa extremamente “compartilhante” e por esta razão eu pulo de alegria  quando ganho um presente, por mais simples que seja. Gosto do que é bonito, amo olhar para o que é nosso e ter sentimento de “que bom , que bonito, que confortável”.

Muitas vezes eu saio à procura de uma peça que eu tenha adquirido e não a encontro em lugar nenhum e – pior – não me lembro que fim dei ao objeto, ou roupa. Muitas vezes tirei do meu guarda roupas,  peças que eu adorava (e precisava) e as doei. Se isso é normal, eu não sei. O fato é que agora estou redescobrindo o que é realmente necessário e o que é exagero.

Como tive uma infancia e adolescencia sem muitos recursos, dou extremo valor a sapatos, mesmo que não tenha centenas e que sempre use os mais confortáveis e simples. Acho lindo uma mulher bem vestida, mas o que eu visto é o que eu posso usar. Agora é o tempo de descobrir que uma cama necessita de  um lençol por vez. Por que, então, ter 12 dúzias, amarelando dentro do armário? E as toalhas de banho, houve uma época que os armários das casas tinham muitas, muitas toalhas. Fazendo as contas, se tivermos 4 lençois lindos, 8 fronhas combinando, 4 toalhas de banho, meia dúzia disso, meia dúzia daquilo, vamos chegar à conclusão que podemos viver muito bem com coisas bonitas e que nos atendam. Desapego está no auge da moda. Quem me conhece sabe o que isso significa: partilhar o que eu tenho a mais, porque o que sobra não é meu.

Cio da Terra,  de Milton Nascimento é um grito que está aí, pra todo mundo ouvir (e fazer a sua parte).

"Debulhar o trigo
Recolher cada bago do trigo
Forjar no trigo o milagre do pão
E se fartar de pão
Decepar a cana
Recolher a garapa da cana
roubar da cana a doçura do mel
Se lambuzar de mel
Afagar a terra
Conhecer os desejos da terra
Cio da terra propícia estação
E fecundar o chão"

É nisso que as pessoas  pensam hoje? Acho que não.

Eu sou uma mulher normal, vaidosa, adoro batom, usar um perfume bem gostoso, lavar meus cabelos todos os dias, usar roupa nova. Mas gente... O que está acontecendo com o mundo? Cada qual com seu cada um... Acho que é isso.

Se eu fosse adiante com meu pensamento, ia chegar nos laboratórios de pesquisa com animais, sacos plásticos que as baleias engolem, lixo nas ruas, comida jogada fora enquanto tantos sentem fome...

Foi apenas um pensamento. Já acabei de lavar a louça do almoço e agora vou trabalhar naquele livro lindo de 1927, mesmo que minha contribuição seja a mais simples. Acho que ando pensando demais.


Sunny L