Folhas de amoras



Folhas de Amoras

Construiu uma casinha
Coberta de folhas de amoras
Borrifou perfume de horizontes
Repletos de pequenas alegrias
Nem se importou com manhãs
Cheias de vontade de preguiça!
(Pelas frestas das amoreiras
Via claramente a luz da lua.)
Dobrou com muito cuidado
Todos os sonhos guardados
Alguns deles, muito amarrotados!
Nem se zangava mais com solidão
Esquentava os caminhos gelados
Com seus passos de aconchego...
Em sonhos via as verdes matas
Trazia sua alma para dias sublimes
E pensava, todos os dias, (agora sorria)
Como era frágil aquele amor que sentia.


Sexta-feira de junho, 2012 - Pensava que não soubesse mais fazer poesia.