Enganos Inúteis



Enganos Inúteis
Sonia Rita Sancio Lóra 

tento entender mais uma vez
o teu idioma de letra sem razão,
de sílabas tolas, sem emoção
que me falas, frio e impassível.
faço monólogos de sonhos meus
que poderiam ter sido nossos,
enquanto sempre pareces viajar
e fazes tão bem, à procura dos timbres
de outras vozes... 
perturba-me tua sinfonia sem sintonia
teu eterno fugir para não ficar
o calar para não ouvir
e fingir para não me amar. 
somos dois mundos de pontes quebradas,
escadas sem degraus, caminhos de pedras frias,
onde toda brisa que tento colocar
entre nós, sem nenhum dó
fazes virar ventos fortes em tempestades...

É inútil tentar. Não sei te conquistar.



2007, época de poesia forte.